AMAVI Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí

sexta, 09 de novembro de 2018

HORAS A MAIS Retorno de servidor público para jornada contratada não é ilegal, diz TST

Retornar à jornada para a qual o servidor público foi inicialmente contratado não configura alteração lesiva do contrato de trabalho. Com esse entendimento, a 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgou improcedente o pedido de pagamento de horas extras feito por um servente contratado pelo município de Pelotas (RS) sob o regime da CLT após a alteração de sua jornada de seis para oito horas.

Na reclamação trabalhista, o autor, lotado na Secretaria Municipal de Saúde, sustentou ter trabalhado por mais de 25 anos sujeito à carga horária de seis horas e que, quando havia necessidade de trabalhar excepcionalmente oito horas, sempre era remunerado com o pagamento de horas extras. Mas, a partir de 2016, o município passou a exigir o cumprimento da jornada de oito horas.

Por considerar a mudança ilegal, ele pediu a declaração de nulidade do ato que determinou o aumento da jornada e o pagamento, como extras, das horas que excederam à jornada praticada até a edição do ato.

O município, em sua defesa, afirmou que, conforme a ficha funcional do servente, ele havia sido contratado para trabalhar 220 horas mensais e que a exigência não configuraria alteração lesiva do contrato de trabalho. Segundo o ente público, a inconformidade do servidor se devia à implantação do ponto biométrico nas unidades de saúde, visando ao melhor controle do cumprimento correto da jornada de trabalho.

O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região considerou lesiva a alteração unilateral da jornada porque, durante 28 anos, o servente esteve submetido à jornada de seis horas, “direito que aderiu ao patrimônio jurídico do trabalhador”. Com esse fundamento, a corte declarou a nulidade da alteração e condenou o município ao pagamento de duas horas excedentes por dia de trabalho prestado.

A decisão foi reformada no TST. O relator do recurso de revista do município, ministro Caputo Bastos, explicou que, segundo a jurisprudência da corte superior, o retorno do servidor público da administração direta, autárquica e fundacional à jornada inicialmente contratada não viola o artigo 468 da CLT, uma vez que a jornada é definida em lei e no contrato de trabalho.

“Essa é a diretriz da Orientação Jurisprudencial 308 da Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1), afirmou Caputo Bastos, seguido por unanimidade pelos membros do colegiado. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Clique aqui para ler a decisão.
RR 20785-10.2015.5.04.0102

Fonte: Consultor Jurídico

Últimas notícias jurídicas

19 de novembro de 2018
STJ fixa teses sobre cobrança judicial de IPTU e parcelamento de dívida tributária
A 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, por unanimidade, nesta quarta-feira (14/11), duas teses repetitivas, sendo uma sobre o termo inicial do prazo prescricional da cobrança...

19 de novembro de 2018
Professora não receberá hora extra por atividades extraclasse, decide TST Imprimir
O artigo 320 da Consolidação das Leis Trabalhistas, que trata da remuneração dos professores, não faz distinção entre trabalhos internos e extraclasse. Esse foi o entendimento da 8ª Turma do...

19 de novembro de 2018
Consulta. Microempresa. Empresa de Pequeno Porte. Licitação. Região Metropolitana. Regionalidade. Administrativo. Lei Complementar n°123/2006.
Em consulta originária da Prefeitura Municipal de Criciúma, O TCE/SC firmou o seguinte entendimento: “Enquanto não houver norma regulamentar própria editada pelo Estado ou pelos Municípios,...

19 de novembro de 2018
Consulta. Administrativo. Instituição de “Banco de Horas”. Possibilidade. Autorização Constitucional. Reforma de Prejulgados.
Em consulta oriunda da Câmara Municipal de Içara, o TCE/SC reformou o Prejulgado n. 1377 que passou a contar com a seguinte redação: “O acordo coletivo de trabalho não é aplicável à...

19 de novembro de 2018
TRF1 - Não existe direito adquirido à manutenção de resultado provisório de concurso público
A 5ª Turma do TRF 1ª Região negou o pedido do autor para que lhe fosse assegurada participação na segunda etapa do concurso para provimento do cargo de Perito Criminal Federal, bem como sua...

19 de novembro de 2018
Negado acúmulo de cargos públicos a servidora com jornada de trabalho de 76 horas semanais
A 1ª Turma do TRF 1ª Região, por unanimidade, deu provimento à apelação interposta pela União e reformou sentença da 2ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, que havia concedido à...

14 de novembro de 2018
Justiça Federal deve julgar ressarcimento ao Paraná por gastos com remédios
Compete à Justiça Federa julgar ação de estado que busca o ressarcimento pela União de todas as despesas feitas por ordem judicial relativas à compra de remédios e produtos arrolados como sendo...

14 de novembro de 2018
Reprovação de contas do TCE não gera inelegibilidade automática, decide TSE
Nem toda rejeição de contas resulta automaticamente na inelegibilidade do candidato. Com esse entendimento, o Tribunal Superior Eleitoral reformou decisão da corte eleitoral de São Paulo e...

13 de novembro de 2018
TST - Auxiliar de creche não receberá adicional por troca de fraldas
A atividade não se equipara à limpeza de banheiros públicos. A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho excluiu da condenação imposta ao Colégio São João Batista, de Caxias do Sul (RS), o...

AMAVI - Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 17h.
Fone: (47) 3531-4242 - Endereço: Rua XV de Novembro, nº 737, Centro, Rio do Sul/SC
CEP: 89160-015 - Email: amavi@amavi.org.br

Ir para o topo